fbpx
Leia também

Gestão por indicadores de manufatura

A análise de desempenho é uma tarefa recorrente nas empresas. Na indústria isso é praticamente regra, para que os gestores possam definir objetivos, avaliar performance e melhorar os processos. Por isso, entender como funciona uma gestão por indicadores de manufatura é essencial para atuar nesse setor.  

O uso de indicadores de produção e desempenho industrial é responsável por melhorias internas e até mesmo externa, pois esses índices são capazes de otimizar o controle de processos, rotinas e profissionais.   

Desse modo, colaboradores e atividades se tornam mais eficientes. Então, para entender melhor sobre o tema, leia o conteúdo na íntegra.  

O que são indicadores de manufatura?

De maneira objetiva, você pode entender os indicadores como “termômetros” que apontam o desempenho dos elementos, atividades e produção.   

Assim, ao analisá-los, os gestores conseguem avaliar se os processos e resultados estão de acordo com o esperado. Isto é, se objetivos, metas e níveis de qualidade/produção estão sendo atingidos.  

Quando falamos dos indicadores de manufatura, é importante citarmos que, para a indústria, existem parâmetros essenciais, que são: performance, eficiência e eficácia fabris. das operações   

Esses critérios são importantes, pois geram dados aplicados à tomada de decisão e ações estratégicas, as quais baseiam-se bastante nessas informações.  

E, não podemos esquecer da mensuração de outros indicadores, como: tempo de processos, performance de colaboradores, desperdícios e reparos.  

Os gestores podem conhecer esses indicadores específicos da manufatura, como: MTBF (Mean Time Between Failures ou Tempo Médio entre Falhas) e MTTR (Mean Time To Repair ou Tempo Médio para Reparo).  

Indicadores de manufatura

Agora que já explicamos que indicadores de performance na manufatura, de um modo geral, tem o objetivo de avaliar o sucesso na produção e em atingir metas, o próximo passo é entender quais são eles e como avaliá-los.  

Ah, e é preciso ter em mente que a indústria é ampla e existem diferentes segmentos, por isso, os indicadores também podem mudar conforme a área. Entretanto, existem parâmetros gerais e são esses que abordaremos hoje.  

Indicadores de produção 

Os indicadores de produção na indústria mensuram a qualidade nas etapas de fabricação e acabam contribuindo para: redução de custos, aumento do desempenho, descoberta de gargalos, desperdícios e ineficiências.  Neste sentido, os gestores precisam avaliar os seguintes indicadores:  

Quantidade de produtos fabricados: como o nome já sugere, objetivo desse KPI é medir a produtividade, especialmente dos trabalhadores.  

On Time In Full (OTIF): esse critério já está mais relacionado à eficiência da produção sobre a entrega de produtos completos e prazo. Os profissionais podem realizar o cálculo pela multiplicação do percentual de entregas on time e entregas in full.  

Eficácia Geral do Trabalho (OLE): aqui, o objetivo de analisar três variáveis do processo produtivo: Disponibilidade, Desempenho, Qualidade.  

Produtividade homem-hora: esse indicador é utilizado há anos e continua sendo importantíssimo. A partir dele, os gestores conseguem mensurar a capacidade de produção de cada colaborador.   

Tempo de inatividade: a partir desse parâmetro, os gestores podem mensurar quanto tempo os equipamentos ficaram sem funcionar em um período de tempo. E, se o reparo demora muito para acontecer, isso significa que o tempo de inatividade será maior.  

Tempo Médio para Reparo (MTTR): bastante atrelado ao indicador anterior, o tempo de manutenção impacta diretamente na inatividade das máquinas e da operação. Portanto, é preciso calcular, em média, demora-se para corrigir as falhas do processo produtivo.  

Tempo Médio entre Falhas: também conhecido como “MTBF” (Mean Time Between Failures), esse indicador mede a frequência em que os equipamentos industriais precisam passar por manutenção. É importante citar que quanto maior for o Tempo Médio entre Falhas, seu desempenho industrial será melhor.  

Eficiência Global dos Equipamentos (OEE): ele tem o intuito de mensurar a eficiência das máquinas e equipamentos do processo produtivo. E os fatores analisados são idênticos OLE.  

Indicadores de inventário/estoque

Compreender os índices de inventário e estoque é fundamental para operar o restante da indústria. Assim, os gestores podem tomar decisões com base em números reais, não apenas previsões.  

Para um melhor desempenho industrial siga alguns indicadores de inventário/estoque Industriais podem ser utilizados, como:  

Giro de estoque: certamente, esse é um dos indicadores mais importantes para o inventário, pois é crucial para identificar a rotatividade dos produtos do estoque e permite visualizar quantas vezes por ano o estoque é renovado completamente.  

Volume de negócios: esse indicador de estoque permite que os gestores tenham noção real do nível de estoque, se está reduzindo ou aumentando. Assim é possível tomar melhores decisões.  

Ruptura de estoque: esse é um dos indicadores que sinalizam que algo está faltando. Se algo em sua produção está em falta, isso significa que a ruptura é de 10%. O ideal é que essa ruptura seja nula ou próxima de zero.  

On Shelf Availability (OSA): Esse indicador mostra a disponibilidade de determinado produto de acordo com o histórico e projeção de venda da mercadoria. Com ele, os gestores visualizam os motivos que levaram à ausência do produto e qual impacto financeiramente.  

Perdas no inventário: a partir dele, os líderes identificam o que causou ou tem causado pernas no estoque. Geralmente as variáveis mais apontadas são: armazenamento incorreto, falta de qualidade, furtos e erros de movimentação.  

Tempo de reposição: Esse é um indicador que aponta ao gestor o tempo necessário para que a mercadoria seja reposta, o intervalo até que chegue ao estoque e que esteja pronta para comercialização.  

Ponto de pedido: ele vai determinar quando o gestor precisa realizar um pedido ao fornecedor, a fim de garantir o reabastecimento e condicionamento perfeito da produção e entrega ao cliente. Seu cálculo é feito:  

Indicadores econômicos

Os indicadores econômicos são bastante importantes por conta de apresentar aos gestores quais são os resultados econômicos da indústria. Assim, essa análise ocorre por meio de:  

Margem de Contribuição: ela representa o quanto o lucro da venda de cada mercadoria contribuirá para a empresa cobrir seus custos, como: despesas fixas e também gerar lucro. Seu cálculo base é: custos variáveis + despesas variáveis.  

Lucratividade: de maneira simples, esse índice é basicamente o ganho que a indústria consegue obter a partir do trabalho que desenvolve.  

Ponto de Equilíbrio Econômico: esse indicador acontece quando as vendas se igualam aos custos e despesas totais, ou seja, não geram lucro e nem prejuízo.   

EBITDA ou LAJIDA: também conhecido como “Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização”, ele não alisa apenas o resultado final, como também o processo de geração de valor como um todo.   

Ticket Médio: ou seja, esse é indicador referente ao valor médio de cada venda. Seu cálculo é bem simples, pois basta somar o volume total de faturamento e dividir pelo volume de vendas fechadas.   

Como esses indicadores beneficiam as indústrias?

Além de favorecer os processos internos das indústrias, os gestores também conseguem ter parâmetros sobre os resultados das equipes, profissionais e máquinas.  

Como já explicamos, esses indicadores de manufatura servem para mensurar os níveis de qualidade na fabricação e fatores que comprometem a produtividade. Permite também mapear pontos fracos e fortes na produção, compreender o desempenho e produtividade.  

Assim, é possível elevar a atuação da fábrica como um todo, melhorar a rotina e identificar com precisão o que tem impedido de a indústria atingir melhores resultados.  

Vale citar também que indicadores de manufatura eficientes são capazes de auxiliar líderes a alinhar objetivos, desenvolver métricas mais palpáveis e até mesmo desenvolver seus próprios KPIs.  

Uma dica importante nesse processo é contar também com a ajuda de um sistema de gestão, como ERP e também de RH, que são altamente competentes na avaliação de indicadores.  

O ERP, por exemplo, é capaz de gerar informações, armazenar dados, gerar relatórios e todo esse histórico ser salvo em nuvem, o que traz mais segurança.  

E também existem softwares que ajudam nos cálculos e avaliação dos indicadores, entregando resultados mais precisos. Os gestores, assim, sentem-se mais confiantes.  

Conclusão

É importante compreender que cada indicador de manufatura tem um propósito e, conforme o setor de atuação, essas avaliações podem ser modificadas ou os gestores podem inserir outras.  

Portanto, os indicadores de manufatura auxiliam os gestores a entender se a indústria está sendo eficaz e se está atingindo seus objetivos já elencados.   

E, vale citar que, se não houver clareza na avaliação, esses números sendo apenas métricas, sem um intuito final.

Leia também: Indústria da Manufatura – O que é?

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Assine aqui nossa news: conteúdos do mundo do RH.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Assine nossa newsletter

    Posts Relacionados.

    Comentários.