fbpx
Leia também

Onboarding e Coronavírus: como as empresas adaptaram seus processos?

Agora que a pandemia já está bem enraizada no dia a dia das empresas, conseguimos dar um passo para trás e enxergar alguns bons ensinamentos e mudanças processuais que foram possíveis e acelerados pela Covid-19. Certamente o processo de onboarding foi um dos que mais sofreu alterações. E é exatamente sobre elas que falaremos neste artigo.

Primeiro, vamos rapidamente abordar o significado dos processos de onboarding, o que é um termo muito conhecido dentro da área de Recursos Humanos, mas que nem todos tem conhecimento de toda a importância e o significado.

Quando uma empresa contrata novos funcionários, normalmente, as primeiras semanas são de adaptação e de apresentação da essência corporativa. A maioria das empresas oferecia esse processo totalmente presencial, pois nada melhor do que estar fisicamente inserido dentro do ambiente corporativo para se sentir acolhido e vivenciar essa adaptação ao novo emprego, novo cargo e nova empresa.

O coronavírus chegou da noite para o dia e enviou praticamente todos os funcionários de escritório para suas casas. Mas como lidar com os funcionários que estavam sendo contratados e prestes a ingressar na empresa?

Conheça algumas alternativas e mudanças de processos que a pandemia ofereceu para a área de onboarding das empresas.

Primeira impressão deve ser única

Uma das preocupações das empresas é encontrar uma forma de entregar uma experiência única aos novos integrantes dos times. A primeira impressão deve se tornar inesquecível. O Nubank, por exemplo, mudou o seu processo através da entrega do kit de boas-vindas, onde incluiu o computador corporativo, um headset para fazer treinamentos e reuniões e outros mimos como camiseta, adesivo, copo etc.

Esse kit ainda inclui as instruções para que os novos colaboradores pudessem fazer a configuração dos seus notebooks de maneira independente e ainda disponibilizavam um número para entrar em contato com a equipe de TI, caso necessitassem de ajuda.

Essa primeira etapa parece muito básica e simples, mas para quem recebe esse kit se sente importante e parte do time. Dá a sensação de que a empresa tem total consciência de que essa pessoa está ingressando ao time.

Reuniões em grupo em ambiente virtual

Outro ponto importante é que não é porque será tudo de forma remota que tudo deve ser gravado. Não basta a empresa simplesmente criar um vídeo de boas-vindas para que ele seja replicado a cada novo integrante utilizando esse novo processo de onboarding.

É essencial que os novos colaboradores sejam recebidos, se possível, de preferência em grupo, por algum integrante do RH ou até mesmo seus gerentes. É nessa reunião que devem ser apresentados os valores da empresa, a cultura e como a empresa está atuando neste novo cenário que estamos vivendo, ou seja, como será o trabalho totalmente remoto neste momento.

Outro processo que foi implementando por empresas foi a atividade de interação, mesmo em formato digital. Encontre alguma ferramenta de interação para que os novos contratados possam interagir entre si, se conhecerem melhor, falarem o que estão sentindo. Isso além de quebrar o gelo, promove integração e sensação de pertencimento.

Ainda durante esse momento de reunião em grupo, mesmo que a empresa normalmente não utilize de forma oficial um organograma de como a empresa funciona, essa pode ser uma boa ferramenta para oferecer, de forma visual, maiores informações de como cada time influencia e ajuda o outro.

Quando essa reunião for mais direcionada a um time específico, pode-se inclusive criar um documento onde apresenta-se cada integrante daquele time, qual é o papel de cada colaborador e quem são as pessoas que podem ser os suportes durante o dia a dia de trabalho remoto.

Ferramentas de comunicação

É bastante comum haver falhas de comunicação mesmo em trabalhos presenciais, onde todo o time se encontra no escritório. Imagina as dificuldades de comunicação que podem existir em um time 100% remoto que não teve um treinamento prévio para encarar essa modalidade de trabalho. Por isso, definir as ferramentas de comunicação e quais os softwares serão usados para o acompanhamento de projeto é fundamental neste momento.

É essencial que essas ferramentas sejam apresentadas no onboarding, explicando quando e porque utilizar cada uma. Por exemplo: o chat deve ser usado somente para tirar dúvidas rápidas. Já o software de gerenciamento de projeto deve conter todas as informações relevantes para que todos do time estejam na mesma página e possam dar andamento nas suas tarefas.

Líderes remotos ativos

Mesmo que essa realidade seja nova para todos: líderes, equipes e novos contratados. Os líderes devem ter a consciência de que o sucesso da equipe, mais do que nunca, dependerá do seu trabalho como um ponto de suporte durante toda a pandemia e trabalho remoto.

Os novos funcionários devem ser informados sobre o que é esperado deles durante a rotina de trabalho, principalmente nestes primeiros meses. Ou seja, é dever do líder informar como o desempenho destes novos integrantes será medido para que eles não se sintam perdidos.

Além disso, é também papel do líder criar empatia (não só com os novos colaboradores, mas com toda a equipe), pois é um período de adaptação para todos, onde muitos possuem filhos em casa, tendo aulas online e vivendo uma nova rotina.

Se no modo presencial o líder talvez não precisasse ser tão ativo em relação os novos funcionários – até porque o contato com outros integrantes da equipe também eram parte do onboarding, agora, no modo remoto, o líder tem papel essencial de manter aquele funcionário com o senso de pertencimento presente.

Fazer reuniões periódicas de até 15 minutos pode ser uma boa saída para conversar sobre o andamento do trabalho, como o funcionário está se sentindo e se há algo que a empresa ou a equipe possa fazer para melhorar algum processo neste momento.

Tecnologia alinhada aos novos processos

Um dos grandes desafios da empresa está em alinhar a tecnologia com a implementação destes novos processos.

O ideal é escolher um fornecedor que ofereça:

• Rápida implementação: não há tempo para perda de tempo. Tudo está muito dinâmico e a implementação deve acompanhar esse ritmo.

• Interface amigável e intuitiva: quando trabalhamos com softwares intuitivos, necessitamos menos investimento de tempo em treinamentos, o que é essencial para esse momento.

• Possibilidade de integração de informações: será um período onde todos estão remotos. A integração de informações é essencial para manter a confiabilidade de processos, evitar o retrabalho e manter a organização da equipe.

• Soluções modulares: nem todos os módulos de um software precisam ser instalados agora para oferecer um bom processo de onboarding online. Por isso, é essencial que a empresa foque somente nos módulos que são relevantes para o momento.

Agora nos conte, como a sua empresa está conduzindo o processo de onboarding?

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Assine nossa newsletter

    Compartilhe:

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin

    Assine nossa newsletter

      Posts Relacionados.

      Downsizing

      Em qualquer negócio, você tem vários custos diferentes reduzindo lentamente seus resultados financeiros. Custos diretos

      ver mais

      Comentários.