fbpx
Leia também

Tudo sobre ERP: funcionamento, aplicações e tendências

Por mais que o ERP seja utilizado há anos pelas empresas, conforme foram feitas atualizações e novas utilizações surgiram, é comum que surjam dúvidas e demandas atuais. 

Atualmente, uma grande parte das empresas brasileiras utilizam um software para gerir o controle interno. Segundo uma pesquisa em parceria com a Gartner, 44% das empresas, com até 250 funcionários, já utilizam o ERP. Esse número entre organizações de grande porte é praticamente 100%. 

Ainda conforme o mesmo estudo, os ERPs adaptados à legislação brasileira são os preferidos entre pequenas e médias empresas. 64% das PMEs afirmaram estar dispostas a pagar mais por um software desse. 

Ou seja, esse é um sistema popular em todo o país, que proporciona benefícios para a gestão, colaboradores e para os negócios. 

Por isso, este conteúdo é direcionado a gestores e profissionais que queira sanar dúvidas sobre ERP e ainda complementar o conhecimento que já tem! Portanto, leia na íntegra. 

Surgimento do ERP

Os precursores do software ERP (Enterprise Resource Planning) surgiram nos anos 1950. Nessa época, havia poucos recursos tecnológicos voltados à gestão de empresa e os que existiam eram adquiridos em menor proporção, devido ao custo maior. 

E, vale ressaltar que, como ainda era o começo do desenvolvimento do sistema, o ERP não possuía tantas funções. Na realidade, ele era bastante direcionado ao controle de estoque. Sendo assim, a maioria de suas funcionalidades trabalhavam neste sentido. 

Você sabia que todo o trabalho do ERP naquela época ainda era realizado de forma manual? Pois sim! Isso porque o sistema funcionava com um único modelo que acabava demando bastante tempo. 

Mudanças importantes 

O surgimento do ERP fez toda diferença para alguns setores do mercado. Para o varejo, por exemplo, o sistema fez com que os profissionais garantissem o controle de estoque, prazos, custos, organização interna e demais tarefas, independentemente do tamanho da empresa. 

É importante você também saber que o sistema de gestão chegou e foi capaz de mudar a visão dos líderes das empresas e reformular o ponto de vista da organização.  

Ah, e lembre-se de que o software modificou o modo como os colaboradores enxergam a gestão dos processos, impactando diretamente na relação com fornecedores e clientes. 

E com a transformação digital cada vez mais próxima das empresas, fazendo com que a tecnologia fosse aplicada nos processos, a maneira de gerir sofreu alterações. Assim, os líderes tiveram que se adaptar a um novo cenário

Com o desenvolvimento dos sistemas de gestão, com alterações importantes, atualmente, existem você pode encontrar diversos tipos de ERP, que estão disponíveis no mercado. 

Além disso, não podemos deixar de citar essas outras mudanças significativas, principalmente na rotina das empresas, que são: 

  • Emissão prática de notas fiscais; 
  • Melhor organização de obrigações, como contas a pagar, contas a receber, baixa de estoque, alimentação do fluxo de caixa e outras tarefas administrativas; 
  • Controle eficiente do estoque, isso inclui tudo que que sai do armazenamento e tudo aquilo entra ou precisa ser reposto; 
  • Uma gestão contábil mais assertiva e facilitada, além de ágil. Assim, as obrigações fiscais são atendidas de maneira completa; 
  • E, o que acreditamos que mais modificou o dia a dia dos profissionais foi a redução de retrabalho e conflito de dados! 

Claro que, na atualidade, as empresas conseguem observar principalmente alterações muito particulares, mas, no geral, essas modificações representaram e muito para os negócios

O que é ERP? 

ERP é a sigla que une o nome “Enterprise Resource Planning”. Em português, significa “Sistema Integrado de Gestão Empresarial”. 

Portanto, é um software que ajuda profissionais a administrar toda a empresa. Isso inclui as principais áreas de gestão, que são: finanças, produção, cadeia de suprimentos, área fiscal, manufatura, suprimentos e outros setores. 

Além de gerir, um sistema de gestão empresarial integra setores e dados de diferentes áreas da organização, auxiliando numa tomada de decisão baseada em informações concretas. 

Assim, torna os setores muito mais estratégicos, eficientes e controlados. Ao tornar os processos operacionais automatizados, pois o ERP é um sistema de automação, as empresas utilizam os profissionais para atividades que requer tática. 

Como funciona o sistema ERP? 

Lembra que citamos que esse sistema de gestão empresarial realiza a integração dos setores? Pois bem, para entender o funcionamento do ERP, é importante ter essa visão de que ele funciona como um banco de dados da organização

Ele reúne as informações em uma única plataforma a partir da integração. Assim, também serve como uma ferramenta para unificar o acesso aos dados. 

Inclusive, consegue se comunicar com outras áreas da empresa que, não necessariamente trabalha com o ERP, mas que utiliza outro sistema de automação de tarefas, como um sistema de gestão para RH. 

Agora que você entende a base do software, vamos a outros pontos que demonstram como o ERP funciona.  

Então, o ERP é um sistema composto por diversos módulos, os quais compartilham a mesma base de dados. Por isso dissemos que ele é capaz de integrar e promover uma “conversa” entre setores. A partir disso ocorre a automatização dos processos. 

Os módulos mais comuns são: Financeiro, Vendas, Compras, Estoque, Fiscal, Logística e Produção, Contabilidade e Manufatura. 

Então com a finalidade de organizar e otimizar as tarefas por meio da automação, o sistema de gestão empresarial registra informações internas, dos processos, de clientes, fornecedores, das compras, produção, de impostos, vendas e transportação, entre outras, a fim de promover o controle de tudo, de maneira digital

Entretanto, é importante você entenda que, antes de escolher um ERP, para que ele funcione perfeitamente na sua empresa, é importante realizar uma análise interna e mapear as necessidades que a organização pede. 

Portanto, inicialmente, os líderes precisam compreender quais são as demandas de maior importância. Então, após essa atividade, torna-se viável uma pesquisa e negociação

Estrutura modular do ERP 

Para quem está começando a aprender sobre ERP agora, pode ocorrer ser difícil de compreender por que o software de gestão é modular. Mas, nós vamos explicar! 

Bom, vamos lá. Ocorre de o ERP ser dividido em módulos, que refletem duas visões: 

  1. Visão departamental; 
  1. Visão por segmento. 

O que significa visão departamental e visão por segmento 

Especificações de cada uma das visões 

Visão Departamental: essa é uma visão que faz com que as empresas consigam manter os processos conforme cada departamento, em uma mesma tela. O que é extremamente importante. 

Desse modo, engloba os módulos: Contábil, Financeiro, Compras, Faturamento, Estoque e outros. Assim, o sistema facilita o cotidiano dos colaboradores (usuários) e promove o controle de cada área envolvida, seguindo autorização por setor responsável por determinada área. 

Por exemplo, os profissionais envolvidos com tarefas de contabilidade e fiscalização ficam autorizados a verificar os dados referentes a essas movimentações. Já os colaboradores de produção ficam responsáveis por visualizar essas informações. 

Entretanto, como o software é integrado, as informações são cruzadas, de maneira que não interfira negativamente nas tarefas de nenhum dos departamentos. 

Visão por Segmento: sabemos que cada empresa é uma empresa e tem suas particularidades. Assim, a visão por segmento atende às demandas específicas e visa atender as atividades conforme segmento de mercado, que chamamos de Verticais. 

Podemos, então, observar que, enquanto a visão departamental trabalha de maneira mais ampla, com demandas gerais, a visão por segmento atua por especificação de mercado, de modo que atenda às necessidades de cada empresa. 

Mas, não se confunda, eles trabalham simultaneamente. O que isso significa? Mesmo o ERP sendo modular, seus dados são armazenados de maneira única, independente do módulo que acessará. 

Ah, e também não confunda essas duas visões (que fazem com que o sistema seja modular) com os módulos do software, ou seja, os módulos de financeiro, estoque, transporte e muitos outros. 

Módulos mais importantes do ERP para empresas em geral 

O ERP é formado por um conjunto de módulos que, integrados, fazem a gestão empresarial de maneira unificada.    

Desse modo, gestores e colaboradores têm a rotina dinamizada e eles conseguem administrar e gerir os processos em só um lugar.  

Além disso, os empreendedores podem pedir às empresas de tecnologia que personalizem o sistema de acordo com a necessidade da organização.   

Conheça, então, as principais funções do sistema e como ele proporciona um importante impacto na organização, obrigações acessórias e administração da empresa. Confira os principais módulos.   

Módulo fiscal   

Ele permite:   

  • Calcular a carga tributária média;   
  • Gerar arquivos das Notas Fiscais Eletrônicas;   
  • Entregar os dados e tributos ao SPED Fiscal e o SPED Contribuições.   
Financeiro   

Dentre os recursos do módulo financeiro, destacamos:   

  • Fluxo de caixa;   
  • Relatórios;   
  • Previsão de receitas e despesas. 

Módulo estoque/armazenamento 

Módulo estoque permite a unificação e imediatismo dos dados. Então, ele proporciona:   

  • Histórico da movimentação;   
  • Controle de lotes, número de série e produtos;   
  • Relatórios quando quiser.   
  • Além desses módulos, há outros, que são integrados ao ERP justamente para atender as necessidades da empresa, conforme setor de atuação, tamanho e demais detalhes. Por isso, você pode encontrar as seguintes opções:   
  • Gestão de frotas;   
  • Controladoria;   
  • Manufatura;   
  • Suprimentos;   
  • Vendas e Distribuição.   
Compras 

Principais recursos que agilizam o processo de compras 

  • Solicitação de compra; 
  • Ordem de compra; 
  • Alocação de solicitação e ordem de compra por centro de custo; 
  • Envio personalizado de ordem; 
  • Integração com a entrada da nota fiscal; 
  • Inclusão de documentos, imagens, PDF e etc; 
  • Controle de estoque disponível  
  • Controle de solicitação de compra; 
  • Efetivação total ou parcial de solicitação e ordem de compra 
  • Controle de saldo parcial; 
  • Tabela de preço.  
Módulo de produção 

Essa função de produção oferece soluções simples, mas eficientes: 

  • Composição de preços 
  • Especificações técnicas; 
  • Seções das especificações da ETM; 
  • Ficha técnica de produção; 
  • Fila de ordens produzidas.; 
  • Ordens de produção; 
  • Planejamento; 
  • Controle de máquinas; 
  • Relatórios gerenciais. 
  • E muitas outras funções.

Faturamento 

  • Gera nota de devolução de venda a partir da entrada da mercadoria; 
  • Gerenciamento de faturamento parcial dos pedidos de venda; 
  • Adoção de regras e critérios parametrizados para o cálculo dos impostos; 
  • Trata diferentes CFOPs em uma mesma nota fiscal; 
  • Oferece relatórios sobre as informações de toda movimentação do faturamento; 
  • Analisar demonstrativos das comissões devidas de acordo com as regras de cada negócio. 

Customização de ERP 

A customização de um ERP é um passo além da visão por segmento, pois essa é uma prática de adaptação de interface, módulo, fórmulas, fluxos e tudo que envolva parâmetros estabelecidos pela organização. 

Por isso que citamos a importância de primeiro olhar para as demandas internas, mapear as necessidades, para depois procurar um software e passar as informações no momento de fechar negócios. 

A partir dessas informações, a empresa de tecnologia pode identificar o que é necessário para haver essa customização e, assim, entregar um software eficiente. 

Sem dúvidas, essa é uma metodologia fundamental para que o software de gestão seja uma ferramenta atenta às peculiaridades e necessidades do seu negócio. 

Entenda alguns requisitos básicos 

De modo geral, é importante que logo em um primeiro momento cliente e fornecedor estabeleçam uma clara comunicação, clara e objetiva do que a empresa espera com a contratação do ERP e o que é necessário ser empregado ao software. Além disso, é fundamental:  

  • Mapeamento da empresa de maneira detalhada;  
  • Um sistema flexível a mudanças;  
  • Ampla comunicação entre cliente e fornecedor;  
  • Fiscalização e controle.  

Além disso, requer testes de aprovação, usabilidade e um tempo de uso para poder mensurar o sucesso da customização do ERP, principalmente entre colaboradores que lidam com a ferramenta diariamente. 

Então, essas são questões importantíssimas para que essa tendência que está cada vez mais comum entre os negócios, consiga estabelecer melhor os parâmetros no dia a dia dos colaboradores, inclusive nos sistemas de gestão, fazendo com que as empresas obtenham benefícios. Veja quais são essas vantagens no próximo parágrafo. 

Vantagens da customização 

Alguns benefícios que a customização traz para as organizações que investem em um sistema com particularidades são: 

Aumento de produtividade   

Os softwares de gestão das organizações em si já promovem aumento da produtividade, mas um customizado eleva ainda mais, pois os usuários do sistema utilizem apenas o necessário para as funções.   

Além disso, permite que os profissionais remanejem o tempo para tarefas estratégias, em vez de usar com atividades repetitivas.  

Padronização de processos   

Ao utilizar o sistema customizado, a empresa adquire uma padronização de seus processos, justamente por ser uma automação focada, com utilização igualmente centrada, mapeada e com identificação de problemas.  

Manutenção rápida e assertiva   

Com a customização do ERP, a empresa pode personalizar seus módulos e deixar o software único. Assim, a manutenção é mais assertiva, pois o fornecedor compreende especificamente a necessidade e utilização do sistema naquela organização.  

Adesão dos colaboradores   

Justamente por haver testes de usabilidade e desenvolvimento do sistema conforme atuação da empresa, a adesão do sistema específico entre os colaboradores fica muito mais fácil. Além disso, utilização e treinamentos são mais proveitosos.  

Integração com outros sistemas   

Como um dos intuitos dos desenvolvedores e deixar o ERP do melhor modo para a empresa contratante, e altamente possível a integração com outros sistemas utilizados pela organização, de maneira harmônica e funcional.  

Maior retorno do investimento  

Uma das preocupações dos gestores é entender o Retorno Sobre o Investimento (ROI) em um software customizado, principalmente por ser uma aplicação com custo elevado.   

Entretanto seu ROI é muito maior, já que o sistema é desenvolvido para atender com precisão as demandas e necessidades do negócio, garantindo máximo proveito. 

Atenção a essas questões para uma perfeita especificação 

Por mais que, atualmente, as empresas estejam procurando bem mais customizar seu sistema, cliente e fornecedor precisam ter atenção em alguns detalhes, como:  

  • Adaptação ao novo sistema customizado;  
  • Objetivos muito bem definidos;  
  • Planejamento a curto, médio e longo prazo;  
  • Dedicação no treinamento dos colaboradores;  
  • Existência de pessoas chave na equipe;  
  • Apoio dos gestores;  
  • Atenção aos detalhes;  
  • Usabilidade da ferramenta. 

Complemente a leitura com “Tudo sobre Customização do ERP” 

Como funciona a implantação de um ERP? 

O ERP precisa ser implementado quando a empresa já apresenta um processo de trabalho definido e operando. Então o primeiro passo é alinhar um organograma claro, com as funções e papéis de cada colaborador bem definidos. 

Após isso é necessário preparar as equipes para a implementação. Certos profissionais precisarão passar por treinamentos para a utilização. É possível também que alguns ajudem no processo de personalização do ERP. Diferentemente de um software comum, que basta ser instalado no computador, o ERP precisa ser bem alinhado e adaptado. 

Após isso começa a fase de implementação de fato, com a equipe contratada para instalar cada módulo. No que diz respeito ao tempo para a implementação total, há diversos prazos que variam de acordo com o número de módulos e o porte do negócio. É possível até implementar dentro de um mês em casos específicos. 

Contudo, há situações em que o ERP demora um ano ou mais para ser implementado totalmente. Isso acontece devido a vários fatores, como o tamanho da organização, alteração na gestão, dados incorretos ou incompletos ou crescimento rápido do negócio. 

Outros fatores que alteram o tempo estão a colaboração da empresa e a qualidade da equipe responsável por implementar o ERP. 

ERP On-Premise (local) 

O ERP on-premise é o tradicional que estamos acostumados a utilizar. Relembrando, esse modelo é instalado nos servidores da própria empresa e administrado por uma equipe interna ou terceirizada. 

Essa modalidade de sistema requer todo o suporte de uma equipe de TI, que precisa ser contratada para sempre atender à empresa.  

Além disso, o acesso aos dados é feito por equipamentos da empresa e até mesmo sem precisar de conexão com internet. 

Principais custos de um sistema local 

Para a aquisição de um software de gestão empresarial requer alguns custos básicos, investimentos necessários para concluir a tarefa efetivamente. ERP interno ou em nuvem precisam desses custos.  

Então, essa categoria de sistema local possui gastos que vão desde a instalação até o contrato de especialistas em ERP. Como é implantado localmente, é necessária compra de uma licença inalterável, investimento em infraestrutura com hardware e servidores. 

Além disso, é extremamente importante a admissão de profissionais capacitados para utilizar o software, especialmente em relação à experiência e disponibilidade para treinamento 

Falando em treinamento, a empresa terá que investir também na preparação e constante capacitação interna para melhor utilizar o sistema de gestão. 

Claro que existem outros custos como: contratação de uma empresa de tecnologia para preparar e implementar o ERP, contratar um especialista para auxiliar na preparação de toda equipe e investir na própria organização, para ser capaz de operar o sistema perfeitamente. 

Portanto, executivos e gestores precisam traçar um orçamento maior e saber escolher profissionais capacitados, que possam trabalhar com o ERP e auxiliar novos colaboradores a se adaptarem. 

ERP em nuvem

A principal diferença para o sistema em nuvem é a forma de armazenamento, que deixa de ser feito por servidores internos e passa a ser hospedado virtualmente, ou seja, em nuvem! 

Para que isso aconteça, a empresa precisa apenas de conexão com a internet, além de contratar o serviço levando em conta as demandas que precisam ser atendidas. 

Por meio da nuvem, que pode ser acessada de qualquer lugar, todas as áreas da empresa são integradas: administrativo, financeiro, comercial, produção, armazenamento e logístico. 

Além disso, por ser armazenado virtualmente, o ERP possuí a possibilidade de ter escalabilidade, ou seja, é possível replicar o modelo para outros setores da empresa ou até mesmo outras marcas dentro de um grupo. 

Principais custos de um sistema em nuvem

Como já citamos, para adquirir ambos os softwares de gestão, a empresa vai investir, pois há custos básicos, que não podem ser ignorados. 

Portanto, o sistema em nuvem requer custos da contratação da empresa de tecnologia que desenvolve, mas há adicionais sobre a implantação, como a assinatura desse ERP em nuvem que é mantida por um pagamento mensal

Isso ocorre porque o software é implantado virtualmente com a inclusão da gestão e armazenamento em cloud, que necessita de uma assinatura mensal. 

E, obviamente, o ERP contrato precisa de custos com treinamento da equipe, suporte, atualizações e equipamentos/computadores necessários para instalação e manutenção. 

Sendo assim, executivos e gestores vão traçar um orçamento levando em consideração a implantação e assinatura mensal. 

Entretanto, os gestores podem observar benefícios adicionais na aquisição do ERP em nuvem, como: padronização, melhor integração, acesso simultâneo e em qualquer lugar (com autorização prévia), escalabilidade e acessibilidade. 

Sugestão de leitura: 5 motivos para ter um ERP em nuvem 

ERP híbrido 

Como um meio termo, o ERP híbrido é um sistema que integra as funcionalidades do software interno/local com soluções do ERP na nuvem.  

Assim, há a implantação fica no servidor interno, mas há a possibilidade de armazenar e utilizar o das informações em nuvem, com acesso dos dados pela internet

E esse modelo une alguns benefícios de ambas as soluções que são: segurança do ERP local e acessibilidade no sistema em nuvem. 

Inclusive, de acordo com o Gartner Group, especialista em tecnologia, no futuro, 90% das empresas vão optar por modelos de ERP híbrido

Novamente, os custos básicos são mesclas do local e do em nuvem. Então, se você for escolher essa solução, também vai precisar traçar um plano de investimento. 

Benefícios do software de gestão empresarial 

Sabemos que investir em sistemas de gestão empresarial é uma tendência constante, independentemente de qual modelo seja, qual o tamanho da organização e setor em que atua. 

Sendo assim, as empresas terão benefícios igualmente constantes, além de cada vez mais automatizar e levar tecnologia à produção.  

Fazendo com que sua equipe também seja direcionada a uma atuação estratégica. Portanto, confira os benefícios de investir em um ERP. 

Automatização e otimização dos processos  

O ERP permite que os processos sejam automatizados, dessa maneira, diminui-se as chances de ocorrer erros humanos. Além disso, promove a otimização dos dados.   

Contudo, os usuários do sistema também conseguem otimizar sua atuação. E por quê? Bom, porque eles ganham a possibilidade de agir estrategicamente, já que os processos não são mais manuais.   

Eleva-se também a produtividade, diminui erros de operação, os líderes também podem elevar a gestão e investir em análises, estratégias e planejamento.   

Análises assertivas   

Por conta de sua capacidade de armazenar dados e proporcionar uma visão ampla, os colaboradores e gestores conseguem realizar análises mais assertivas e estratégicas.   

Com a análise de relatórios sobre os dados gerados no ERP, você pode prever falhas, visualizar operações de clientes e processos internos, projetar melhorias e prevê resultados, entre outras ações.   

Maior proteção dos dados   

Entendemos que o ERP local já proporciona uma segurança incomparável. Entretanto, com a junção da computação em nuvem, essa proteção é elevada, assim o ERP permite potencializar a segurança dos dados da empresa e de clientes.   

Além disso, os desenvolvedores já criam o software conforme LGPD e diretrizes da legislação e boas práticas. O sistema também é desenvolvido de maneira que dificulta ação de hackers e demais ameaças. 

Leia também – Data Protection: como a LGPD aumentou a proteção de dados nas empresas 

Redução de Custos  

O ERP consegue te trazer dados de fácil leitura, dessa forma, essa plataforma te ajuda a tornar a gestão muito mais assertiva e voltada para a maior produtividade (e lucro!).  

Logo, você pode identificar gargalos na administração, e tomar medidas para a economia de recursos e esforços que não estão sendo positivos para a empresa. 

Menores chances de erros fiscais  

Por conta da automação de tarefas, como: emitir notas fiscais, exportar e enviar dados ao Fisco, organizar notas e demais atividades fiscais e contábeis, a possibilidade de erros fiscais é praticamente nula.   

Além disso, como os profissionais agem com mais estratégia, é pouco provável que a empresa sofra multas e penalizações.  

É importante indicar também que isso reduz tempo de dedicação a essas tarefas, já que implica em até 19% de economia nesse setor. 

Redução de inventário  

Também segundo pesquisas, o ERP pode economizar em média 32% com itens como matéria-prima. Assim, o sistema de gestão corporativa ajuda no planejamento, controle de estoque e de itens comercializados. 

Aumento de receita  

Por auxiliar de maneira estratégica nos negócios, otimizar a atuação dos profissionais e proporcionar redução de tempo e erros, o ERP também impacta no aumento de receita. O atendimento ao cliente também fica melhor e isso eleva a retenção desses clientes. 

Redução de custos operacionais  

Conforme indica especialistas sistemas de gestão empresarial, se utilizado corretamente, pode economizar consideravelmente dos gastos com as atividades operacionais.   

Essa economia ocorre porque, ao automatizar, a empresa reduz custos com horas extras, ferramentas físicas e mão de obra adicional. 

Benefícios intangíveis  

Atenção, nem todos as vantagens do uso de um ERP podem ser metrificadas com total certeza. O que reforça essa afirmação são benefícios importantes, como:  

  • Melhor eficiência; 
  • Aumento da produtividade dos profissionais; 
  • Gestão mais estratégica e assertiva; 
  • Integração total dos departamentos; 
  • Auxílio na tomada de decisão; 
  • Maior previsibilidade; 
  • Aprimoramento de relatórios contábeis e financeiros. 

Conclusão 

O ERP é um sistema de gestão empresarial robusto, que proporciona funcionalidades cruciais para o bem dos negócios em qualquer tamanho e setor das organizações. 

Ou seja, podemos perceber o quão o software é fundamental importante para as empresas, principalmente agora, neste novo normal, em que a tecnologia está ainda mais presente no dia a dia dos profissionais. 

E como vimos, gestores e demais profissionais precisam mapear as necessidades de seu negócio, antes de procurar um fornecedor do sistema, ou então, receber ajuda dos especialistas das empresas que lidam com tecnologia e desenvolvimento. 

Um próximo passo é avaliar as empresas de tecnologia que estão disponíveis no mercado, analisar o sistema oferecido e todas as questões que estão relacionadas à decisão de investir em um ERP. Identificar esses pontos auxiliam você a ter uma escolha assertiva. 

Além disso, é preciso compreender quais módulos melhor se encaixam para seu negócio, se há a necessidade de investir em uma customização, assinatura em nuvem e demais serviços que estão à disposição. 

Por fim, após a aquisição, esteja sempre alinhado a sua equipe, com a finalidade de analisar o quanto o software tem sido eficiente para os negócios.  

Tenha o auxílio de seus profissionais, leve em consideração a opinião dos usuários, que lidam diariamente com o ERP e podem auxiliar a metrificar a utilização ao longo do tempo. 

Então, gostou do conteúdo? Continue lendo outros assuntos sobre sistemas de gestão empresarial e tecnologia em nosso Blog! 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Assine aqui nossa news: conteúdos do mundo do RH.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Assine nossa newsletter

    Posts Relacionados.

    Comentários.